Estudo da influência de íons na determinação de acidez total em petróleos nacionais.

Resumo: Para processarem petróleos nacionais com altas concentrações de ácidos naftênicos, as refinarias revestiram algumas partes das unidades com aços inoxidáveis austeníticos (AISI 316) material este que resiste ao ataque dos ácidos naftênicos, mas que na presença de cloretos, sofre corrosão sob tensão, de difícil detecção que pode levar inclusive, à fratura do material. No Brasil e no exterior é usual, na avaliação da qualidade de um petróleo e suas frações, informar o número de acidez total (NAT) determinado pelo método ASTM D 664/06 “Standard Test Method for Acid Number of Petroleum Products by Potentiometric Titration. O petróleo é considerado inadequado ao processamento se o (NAT) for superior a 0,5 mg KOH.g-1 e para um dado derivado de petróleo se apresentar valor igual ou superior a 1,5 mg KOH.g-1. Por sua vez, a acidez tende a distribuir-se de forma típica em petróleos de origem diversas e apesar de não ser a única variável na intensidade do processo corrosivo seu conhecimento é fundamental na tomada de decisão quanto à substituição de materiais nas unidades de refino, fornos e linhas1. Atualmente, com base na determinação do (NAT) a informação é utilizada na correlação para estimar a corrosão em mm /ano de um dado petróleo2. A previsão para a produção de petróleos, indica para um aumento significativo da participação de óleo pesado e extrapesado. Entretanto, tem sido observado que os petróleos pesados apresentam maior acidez do que outros tipos de óleo e, face a exigência de adaptações metalúrgicas nas refinarias, tornar-se-á cada vez mais difícil utilizar sua mistura com outros óleos de menor acidez como processo alternativo para a redução de acidez. Com o objetivo de estabelecer uma alternativa analítica, este trabalho visa estudar porque alguns íons metálicos (Ca+2 e Mg+2) quando presentes em petróleos nacionais apresentam resultados elevado de acidez total diferentes daqueles obtidos quando os íons não estão presentes.

Data de início: 2013-08-01
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Coordenador Maria de Fatima Pereira dos Santos
Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910