Estudo Cinético de Separação de Fases em Emulsões de Petróleos.

Resumo: O processamento primário do petróleo, normalmente realizado no próprio campo produtor tem como finalidade a separação das três fases: óleo, água e gás. A etapa de separação da água é certamente a mais complexa e importante do processo, já que sua presença contribui para a ocorrência de corrosão, formação de hidratos e aumento da viscosidade podendo dificultar o escoamento, entre outros. A água presente no óleo pode estar sob a forma livre ou emulsionada com o óleo. A água emulsionada pode representar teores de até 60% da água total, devendo ser separada em separadores de produção e tratadores de óleo, de modo a atingir valores inferiores a 1%, porcentagem máxima aceita pelas refinarias. A estabilidade das emulsões de água em petróleo tem se configurado como um dos maiores problemas na separação primária do petróleo. A quebra destas emulsões é uma etapa complexa e geralmente requer a utilização de tratamentos físicos (gravitacionais, térmicos e/ou eletrostáticos) e químicos. A compreensão dos mecanismos de desemulsificação do petróleo apresenta um grau de dificuldade elevado devido a diversos fatores, entre eles: a complexa composição dos emulsificantes naturais, a atuação de mecanismos de estabilização pouco conhecidos e a forte influência das condições experimentais (teor em água, composição da fase aquosa, distribuição do tamanho de gotas, temperatura, pressão do sistema, idade da emulsão, etc.) na estabilidade das emulsões. Esta etapa permanece como um desafio para a indústria, sobretudo quando se considera o tratamento de petróleos pesados e ultra-pesados, cuja produção tem sido crescente no cenário nacional. Neste sentido, o desenvolvimento de metodologias e o aperfeiçoamento das técnicas existentes são de grande relevância para garantir a compreensão da separação de fases em emulsões de petróleo. Tais estudos serão conduzidos de modo a evidenciar a influência de fatores no preparo de emulsões, no estudo de separação no processo de separação de fases e também, no estudo da degradação do filme que envolve as gotas dispersa como uma saída alternativa para completa coalescência das mesmas e consequentemente a retirada de água com mais eficiência. Desta forma, a proposta deste projeto é apresentar um estudo experimental, no preparo das emulsões, realizar um estudo cinético de separação de fases e avaliar os efeitos da degradação oxidadiva induzida por aeração, temperatura, íons e peróxidos. Acredita-se que este estudo poderá interagir com as espécies polares que constituem o filme interfacial que protege as gotas emulsionadas, promovendo assim efeitos capazes de modificar a conformação dos tensoativos na interface, favorecendo então a desestabilização.

Data de início: 2014-08-01
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Coordenador Maria de Fatima Pereira dos Santos
Pesquisador Breno Nonato de Melo
Pesquisador Maristela de Araujo Vicente
Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910