Histórico

HISTÓRICO, CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROGRAMA E A PROPOSTA CURRICULAR

Em 2006, a criação de novos cursos de graduação da UFES, Campus São Mateus-ES, possibilitou a fixação de doutores em diversas áreas do conhecimento. A interação entre estes docentes com formação disciplinar diversificada permitiu a formação de grupos de pesquisas, motivando assim o desenvolvimento e a implantação de um programa interdisciplinar na área Engenharia/Gestão e Tecnologia.

O Programa (PPGEN/UFES) iniciou suas atividades em abril de 2011 com 16 docentes permanentes e 5 colaboradores, pertencentes aos Departamentos de Ciências Naturais (DCN), Engenharias e Tecnologia (DETEC) e Computação e Eletrônica (DCEL) da UFES, Campus São Mateus-ES.

Localizado em São Mateus-ES, região norte do Estado, o programa pode atender 75 municípios, pertencentes ao Norte do Espírito Santo, Sul da Bahia e Nordeste de Minas Gerais, com uma população estimada em 3 milhões de habitantes. Podem participar do Processo Seletivo do Programa de Pós-graduação em Energia todos os portadores de Diplomas de cursos de Bacharelado em Engenharias, Ciências da Computação, Física, Química, Matemática. Também, podem ingressar no programa alunos concluintes dos cursos de Graduação supracitados desde que comprovem a conclusão do curso em data anterior à matrícula no programa.

No início, foram utilizadas pelo programa a infraestrutura de Laboratório e salas de aulas dos cursos de graduação da UFES, Campus São Mateus-ES. Ao final de 2013, ano em que ocorreu a primeira defesa de dissertação de mestrado, foi inaugurado o prédio da pós-graduação em energia com 960m2. Neste prédio estão as salas de aula e laboratórios do programa. De forma a otimizar o espaço e os recursos disponíveis todos os laboratórios do programa são multiusuários coordenados por professores permanentes do programa.

A partir de 2014 os Laboratórios foram sendo consolidados com os recursos do REUNI e de projetos de financiamento institucionais tais como FINEP e Pró-equipamentos da CAPES. Em constante atualização os laboratórios são mantidos e renovados com recursos oriundos de projetos de pesquisa do programa, cujo fomento à pesquisa é oriundo de projetos de pesquisa contemplados em Editais da FAPES/ES e CNPq bem como de projetos de pesquisa em parceria com a Petrobras.

Desde 2015 o programa vem realizando ações que permitem o aperfeiçoamento do seu corpo docente permanente. Em 2020, cerca 42% dos docentes permanentes já realizaram Pós-doutorado. Tal estratégia permite promover e renovar continuamente a interação do Programa com outros centros de pesquisa, universidades nacionais e estrangeiras.

Para melhorar o conceito do programa, desde 2016 é realizada uma avaliação anual da produção científica e tecnológica dos docentes. O credenciamento/descredenciamento dos docentes ocorre a cada dois anos. Tendo como objetivo a pesquisa interdisciplinar, os docentes credenciados apresentam formação disciplinar diversificada e coerentes com a área de concentração, linhas e projetos de pesquisa.

Os dados de 2020 revelam que o programa possui 12 professores permanentes, 5 colaboradores e apresenta 115 dissertações defendidas. Na base de dados Scopus, o corpo docente permanente do programa alcança índice h médio igual a 8, ao passo que na base Google acadêmico obtém índice h médio igual a 10. Estes índices quantificam o número de citações dos trabalhos de pesquisa publicados, evidenciando assim, a qualidade e o impacto da produção intelectual do programa na área de concentração. Estes dados permitem inferir que na base Scopus 8 artigos publicados pelos docentes permanentes do programa recebem 8 ou mais citações, ao passo que, na base Google, com o índice h, verifica-se que 10 artigos publicados pelos docentes permanentes do programa obtêm no mínimo 10 citações.

Na sequência é mostrada detalhadamente a lista de docentes permanentes, o índice h na base Scopus que se refere a produção até o ano de 2020 e o índice h (Google scholar) que inclui as citações referentes ao período entre 2016 e 2021.

Ana Paula Meneguelo - Scopus (4); Google scholar (6)
Daniel da Cunha Ribeiro- Scopus (5); Google scholar (5)
Eduardo Perini Muniz- Scopus (6); Google scholar (6)
George Ricardo Santana Andrade- Scopus (11); Google scholar (12)
Gisele de Lorena Diniz Chaves -Scopus (7); Google scholar (13)
Laura Marina Pinotti- Scopus (8); Google scholar (10)
Marcelo Silveira Bacelos- Scopus (9); Google scholar (11)
Maria de Fatima Pereira dos Santos - Scopus (11); Google scholar (15)
Oldrich Joel Romero Guzman- Scopus (7); Google scholar (9)
Paulo Sergio da Silva Porto - Scopus (4); Google scholar (6)
Taisa Shimosakai de Lira- Scopus: (10); Google scholar (13)
Wanderley Cardoso Celeste- Scopus (8); Google scholar (11)

Com respeito a divulgação de pesquisa, os docentes do programa têm priorizado periódicos indexados de alto impacto. Dados atuais (triênio 2017-2019) indicam que a média de artigos qualificados (A1, A2 e B1) com discentes únicos no Programa por Docentes Permanentes e por Ano aumentou 132,34% quando comparado àquele apresentado no triênio anterior (2013-2016).

No entanto, para valorizar os trabalhos de desenvolvidos com alunos de graduação e pós-graduação, foram criadas duas secções específica em periódicos científicos indexados para divulgar os resultados de pesquisa que abordam temas dentro dos campos de atuação do programa.

Os Periódicos Científico Indexados contam com a participação de dois editores chefes e de editores de secção que fazem parte do corpo docente do programa. São eles: Brazilian Journal of Production Engineering e Latin American Journal of Energy Research.

Os projetos de pesquisa do programa na área interdisciplinar Engenharia/Tecnologia/Gestão são direcionados, principalmente, para as linhas de pesquisa de eficiência energética, petróleo, gás e energias renováveis. Em 2017 o programa apresentou 25 projetos dos quais 52% deles apresentavam a participação de discentes e 2 ou mais docentes. Em 2018, o programa tinha 26 projetos e 77% dos projetos contavam com a participação de discentes e 2 ou mais docentes. Em 2019, o programa tem 10 projetos de pesquisa em andamento e todos apresentam a participação de discentes e 2 ou mais docentes do programa. Em 2020, o programa apresenta 9 projetos os quais contam 100% com a participação de discentes e 2 ou mais docentes do programa.

Do total de projetos, 4 (quatro) estão na linha de pesquisa eficiência energética e 5 (cinco) projetos na linha de petróleo gás e energia renováveis, havendo desta forma um equilíbrio do número de projetos entre as linhas de pesquisa. Comparado ao triênio anterior (2013-2016), o programa reduziu em 81% o número total de projetos cadastrados na sucupira (de 49 para 9 projetos) e aumentou o número de projetos integradores.

A estrutura curricular e as linhas de pesquisas do programa foram planejadas para dar suporte as atividades de ensino e pesquisa que compõe a área de concentração do programa. O PPGEN é formado por 3 (três) diferentes áreas Engenharia/Tecnologia/Gestão e busca manter o equilíbrio destas diferentes áreas sobre a estrutura curricular e linhas de pesquisa.

As disciplinas obrigatórias permitem a convergência de duas ou mais áreas de conhecimento e são ministradas por um corpo docente com formação disciplinar diversificada. Tal proposta permite obter um perfil de egresso diferenciado para o mercado de trabalho e manter uma formação básica sólida e integradora. O aluno deve cursar 4 (quatro) disciplinas obrigatórias e 2 (duas) disciplinas optativas. As disciplinas obrigatórias são disciplinas de formação do pesquisador e proporcionam aos alunos os fundamentos sobre área de concentração.

As 2 (duas) optativas são disciplinas de apoio as linhas de pesquisa. A estrutura curricular foi planejada e instituída para que apresente coerência com área de concentração, permitindo assim a consolidação das linhas de pesquisa do programa. A proposição de tal estrutura curricular e linhas de pesquisa do programa permite também dar sustentação a área de concentração de pesquisa interdisciplinar Engenharia/Tecnologia/Gestão.

O programa é o único programa interdisciplinar da UFES, o 4º (quarto) programa interdisciplinar do Estado do Espírito Santo e único na área Engenharia/Gestão/Tecnologia. Desta forma, o programa em Energia desempenha um papel importante no desenvolvimento da região Norte do Estado do Espírito Santo, notadamente uma área cujos índices socioeconômicos estão abaixo da média estadual e nacional. A região tem forte apelo para a Energia devido à importância na produção de petróleo e gás natural, etanol e indústrias de intensa utilização de energia (granitos/ pedras ornamentais, moveleira, metalmecânica, veicular, cerâmica, motores elétricos, entre outras). O papel do programa é ainda mais evidente com o programa REATE do Ministério de Minas e Energias do Governo Federal. O REATE busca a revitalização das atividades de exploração e produção de petróleo e gás natural em área terrestres, onde novas e pequenas empresas serão atraídas para a região. Neste sentido, é fundamental a presença do PPGEN para promover pesquisas que contribuam para avançar as fronteiras da ciência e tecnologia e, também, suprir o mercado de trabalho com recursos humanos com qualificação de excelência.

Com o fomento à pesquisa, nesses 10 anos existência do programa, a forte interação entre os docentes e discentes possibilitaram a criação de grupos de pesquisa com o compromisso no ensino, pesquisa científica e inovação, gerando os seguintes impactos a sociedade: Educacional, Científico, Social e outros impactos relacionados a atuação profissional dos egressos para o desenvolvimento regional.

Destaca-se que a forte interação dos docentes do programa com os discentes e egressos tem promovido o desenvolvimento de conhecimento na área interdisciplinar Energia/Tecnologia/Gestão. Desta forma, o apoio dos docentes aos egressos do programa resultou na nucleação de um novo grupo de pesquisa NEPE e a criação de um novo programa de pós-graduação no IFES, Campus São Mateus-ES Programa de Pós-Graduação em Eficiência Energética.

O grupo de pesquisa NEPE, do IFES São Mateus-ES, conta com participação de 60% de egressos do PPGEN/UFES; enquanto o novo programa pós-graduação Lato Sensu em eficiência energética tem a participação de 30% de egressos do PPGEN/UFES.

PROPOSTA CURRICULAR

Com o enfoque em Energia, a estrutura curricular tem sido planejada para dar suporte aos campos de ação conexos as diversas áreas de conhecimento que constituem a grande área de concentração interdisciplinar do programa - Engenharia/Teologia/Gestão.

Em 2011, o programa apresentava como componentes curriculares 4 disciplinas obrigatórias e 4 disciplinas optativas com 45h de carga horária cada, totalizando assim, 24 créditos.

Em 2013, novos componentes curriculares obrigatórios foram criados, para que a proposta do programa pudesse alcançar caráter integrador com duas ou mais áreas do conhecimento de classes diferentes. As novas disciplinas obrigatórias permitem a convergência de duas ou mais áreas de conhecimento e são ministradas por um corpo docente com formação disciplinar diversificada. Tal proposta permite obter um perfil de egresso diferenciado para o mercado de trabalho e manter uma formação básica sólida e integradora.

A entrada de alunos no Programa de Pós-graduação em Energia é anual. A oferta de disciplinas é semestral e segue o calendário acadêmico da graduação. A data de matrícula é disponibilizada no sítio eletrônico da Secretaria única de graduação- Supgrad.

Os alunos regulares cumprem 4 disciplinas obrigatórias e 2 disciplinas optativas com 4 créditos cada, totalizando assim, 24 créditos. Os alunos bolsistas CAPES, CNPq e FAPES realizam estágio docente em disciplinas dos cursos de graduação da UFES sob supervisão do professor orientador. De acordo com as normas da UFES, Campus São Mateus-ES, os alunos podem participar em aulas teóricas ou práticas com uma carga-horária de até 30% do total da disciplina. A defesa da dissertação e o exame de proficiência não geram créditos aos alunos do programa. O exame de proficiência faz parte do processo seletivo dos alunos ingressantes. O processo seletivo para alunos regulares é realizado sob a forma de edital público. A avaliação poderá consistir em uma prova de conhecimentos específicos sobre o tema Energia e análise de currículo (com a devida comprovação de títulos e produção científica).

Com a conclusão dos créditos, a cada semestre, o aluno faz a matrícula em atividade de projeto de dissertação, mantendo assim, o vínculo com o programa. O Exame de qualificação é obrigatório e consiste na apresentação oral e escrita da proposta de dissertação de mestrado. Este é realizado por todos os alunos até o 14° mês do ingresso. A defesa de dissertação de mestrado pode ocorrer com no prazo mínimo 12 meses e máximo de 24 meses. Para obtenção do grau de mestre é exigido aos discentes pelo menos uma submissão de artigo a periódicos de circulação nacional ou internacional, com revisão por pares com Qualis CAPES B1 (mínimo), ou pelo menos 1 (um) depósito de patente T4 ou T3.

Atualmente, o aluno deve cursar 4 (quatro) disciplinas obrigatórias e 2 (duas) disciplinas optativas. As disciplinas obrigatórias são disciplinas de formação do pesquisador e proporcionam aos alunos os fundamentos sobre área de concentração. As 2 (duas) optativas são disciplinas de apoio as linhas de pesquisa. A estrutura curricular foi planejada e instituída para que apresente coerência com área de concentração, permitindo assim a consolidação das linhas de pesquisa do programa. A proposição de tal estrutura curricular e linhas de pesquisa do programa permite também dar sustentação a área de concentração de pesquisa interdisciplinar Engenharia/Tecnologia/Gestão.

Ambas as disciplinas obrigatórias e optativas são ministradas por 2 (dois) ou 3 (três) docentes com formação disciplinar diversificada. São utilizadas como técnicas de ensino aulas expositivas e dialogadas, podendo também contar com recursos audiovisuais. As aulas práticas são realizadas nos laboratórios do prédio do programa.
Em relação a avaliação, são sugeridos aos docentes o uso de mais de um instrumento de avaliação discente, incluindo trabalhos em grupo. O principal foco é consolidar a ideia de que os problemas podem ser resolvidos usando a colaborações entre as áreas disciplinares Engenharia, Tecnologia e Gestão, gerando novas metodologias e conhecimento na área.

A partir do segundo semestre, os alunos ingressantes são inseridos em projetos de pesquisa do programa que contam com a participação de dois ou mais docentes.

Neste contexto, tal direcionamento adotado assegura aos alunos o desenvolvimento de competências e habilidades sobre temas complexos bem como a troca de informações e conhecimento de maneira espontânea e colaborativa. Estes são os requisitos indispensáveis na condução de trabalhos de pesquisa interdisciplinares.

Aqui é apresentada a sequência detalhada de Disciplinas obrigatórias e atividades desenvolvidas pelos discente no Programa para cada semestre, bem como as ementas das disciplinas do programa.

SEQUÊNCIA DETALHADA DE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS E ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELOS DISCENTE A CADA SEMESTRE

No primeiro semestre o discente deve cursar as 4 (quatro) disciplinas obrigatórias, totalizando assim, 12 (doze) créditos. As obrigatórias abordam os fundamentos sobre a áreas de concentração do programa, sendo elas: 1) Gestão de Sistemas de Energia (Cr: 4, CHS: 60) ; 2) Princípios de Conservação (Cr: 4, CHS: 60); 3) Fundamentos em Energia (Cr: 4, CHS: 60) e 4) Seminários em Energia (Cr: 4, CHS: 60).

No segundo semestre o discente deve cursar até 2 disciplinas optativas, totalizando 12 créditos. Cada disciplina optativa apresenta 4 créditos (Cr:4) e 60 horas de carga horaria (CHS: 60).

As disciplinas optativas de fortalecimento das linhas de pesquisa são: 1) Tecnologias para a produção de Combustíveis; 2) Fundamentos da Produção e Processamento de Petróleo e Gás, 3) Tópicos na indústria de petróleo e 4) Tópicos atuais em Energias Renováveis, 5) Engenharia de Processos, 6) Logística e Transportes.

As demais disciplinas optativas são de formação complementar: 7) Propriedades Ópticas e Magnéticas de Materiais, 8) Modelagem, Simulação e Otimização, 9) Processamento Digital de Sinais, 10) Métodos de otimização e 11) Planejamento de experimentos.

O terceiro semestre é dedicado, principalmente, ao desenvolvimento da pesquisa e a realização de estágio docente.

No quarto e último semestre o discente deve submeter-se ao exame de qualificação e a defesa de dissertação, que devem ser agendados na secretaria única da graduação (Supgrad) com no mínimo 30 dias de antecedência. O exame de qualificação deve ocorrer entre 12 e o 14º mês. A defesa de dissertação deve ocorrer até o 24º mês. Também, neste período, o aluno deve dedicar-se a redação de artigos para submissão em periódicos e a participação em congressos, workshops e simpósios.

As ementas e o conteúdo programático das disciplinas podem ser acessadas sítio eletrônico do programa: Disciplinas

Alunos Formados e Matriculados:O programa já formou 122 mestres e conta com 30 alunos regularmente matriculados, todos no mestrado.

Nome dos coordenadores e coordenadores-adjuntos:

Período: 2020-2022
Coordenador: Marcelo Silveira Bacelos
Coordenador Adjunto: Paulo Sérgio da Silva Porto

Período: 2018-2020
Coordenador: Paulo Sérgio da Silva Porto
Coordenador Adjunto: Laura Marina Pinotti

Período: 2016-2018
Coordenadora: Maria de Fátima Pereira dos Santos
Coordenador Adjunto: Eduardo Perini Muniz

Período: 2014-2016
Coordenador: Marcelo Silveira Bacelos
Coordenadora Adjunto: Ana Paula Meneguelo

Período: 2012-2014
Coordenador: Fabio de Assis Ressel Pereira
Coordenador Adjunto: Marcelo Silveira Bacelos

Período: 2010-2012
Coordenador: Fabio de Assis Ressel Pereira
Coordenador Adjunto: Marcelo Silveira Bacelos

Histórico do conceito CAPES do programa:

Período de Avaliação: . . . . . Conceito:
2010-2012 . . . . . . . . . . . . . . 3

Ficha de avaliação: https://bit.ly/2UVu83e

Período de Avaliação:...........Conceito
2013-2017.............................3
Ficha de avaliação: https://bit.ly/2JQByys

Para o quadriênio 2017-2020, acesse a proposta do Programa de Pós-graduação em Energia (PPGEN) usando link:
Proposta do PPGEN

Alternativamente, os dados cadastrais do programa na capes podem ser acessados em:

PROPOSTA CADASTRADA NA SUCUPIRA

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910